Todos os horários
CYBERBULLYING

Depois de sofrer bullying e dormir em abrigos, ele deu a volta por cima e entrou em Harvard

Quando era criança, Richard Jenkins fazia tanta pergunta na sala de aula que começou a sofrer bullying dos colegas. 

Negro, pobre, Jenkins passou por todo tipo de situação durante a infância. Depois que perderam a casa onde viviam, ele, a mãe e os dois irmãos mais novos viveram, durante dois anos, pulando de abrigo em abrigo em diferentes estados dos EUA. 

Nesse meio tempo, o jovem se deu conta de que sua salvação poderia estar nos estudos. “Isso disparou em mim a sensação de que eu precisaria buscar algo, para que não precisássemos passar por tudo aquilo novamente”, disse ele em entrevista à CNN.

Com isso em mente, o jovem mergulhou nos livros e desenvolveu um interesse especial por tecnologia. Com o passar do tempo e as notas lá em cima, a mãe de Jenkins decidiu matriculá-lo em uma escola para estudantes superdotados quando descobriu que havia vagas para filhos de mães solteiras. A escola oferecia tudo o que o jovem precisava para se desenvolver. 

Depois que terminou o ensino médio, veio o temido período de inscrição nas faculdades americanas. Jenkins não teve medo de tentar vaga nas mais conhecidas instituições do mundo, entre elas a Harvard.

Um belo dia, quando falava com sua namorada pelo telefone, ele recebeu a notícia que mudaria para sempre sua vida: a de que havia sido aceito na universidade, e com bolsa integral – que inclui até acomodações. 

Agora, aos 18 anos, Jenkins pretende estudar ciência da computação com foco em inteligência artificial. Ele também está ansioso para aprender japonês.  

Seu padrinho chegou a abrir um financiamento coletivo para ajudar o jovem a comprar o básico para a faculdade, como roupas e um notebook. 

O mais novo universitário manda um recado às pessoas que estão em situação similar: “Vai chegar um momento em que você vai sair do trilho e pensar em desistir, mas nunca, nunca desista dos seus planos.”


Nova temporada de EMERGÊNCIAS NOTURNAS - toda terça, 20h50


Fonte: CNN